Hyundai Creta chega a marca de 100 mil unidades em pouco mais de dois anos


Lançado em dezembro de 2016, o Hyundai Creta está comemorando a marca de 100 mil unidades vendidas no Brasil. O SUV compacto produzido na unidade de Piracicaba (SP) alcançou o feito histórico de vendas. A unidade 100.000º foi da versão Smart, pintada na cor Prata Sand e equipada com motor 1.6 16v Flex com câmbio automático. A unidade foi adquirida por George Casé, 39 anos, de Recife (PE). “Foi uma grande surpresa chegar à concessionária para buscar meu Creta e sair de lá como o cliente de número 100 mil. Agora sinto que faço parte da história da Hyundai”, afirma George Casé, que era proprietário de um HB20S. “Além do design, o espaço interno, o conforto, as revisões periódicas com preço fixo e a garantia de cinco anos foram fatores decisivos para a compra, tanto do meu HB20S, quanto do Creta. Estou muito satisfeito”. As vendas do Creta iniciaram em janeiro de 2017 e nesses mais de dois anos de mercado, o SUV fechou com 41.600 unidades no seu primeiro ano de mercado, chegando a 48.962 unidades em 2018, alcançando a liderança do segmento. No acumulado de ano entre janeiro e fefereiro, foram mais 7,2 mil unidades vendidas. Atualmente o Creta é vendido nas versões Attitude, Smart, Pulse Plus, Prestige e Sport, com preços entre R$78.990 a R$104.990. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motores 1.0 e 1.4 EVO da Fiat devem se despedir do mercado a partir do segundo semestre desse ano!

Renault Megane Sedan vem ao Brasil até final de 2019, com motor 1.3 12v TCe Flex de 170cv

Curiosidades: por que o disco de freio parece com ferrugem mesmo sendo novo?

Curiosidades: Carros de Fórmula 1 tem o sistema ABS?

Curiosidades: Os carros mais vendidos do Brasil em 1995!

Curiosidades: Os carros mais vendidos do Brasil em 1994!

Curiosidades: Os veículos mais vendidos do Brasil em 1998!

McLaren inaugura concessionária no Brasil e pretende vender 20 unidades no primeiro ano

Foton lança Aumark por R$77.900!

Volkswagen deve apresentar Polo reestilizado em 2021, de acordo com sindicato