Audi deve cortar alguns motores de linha e cargos executivos para economizar


Em entrevista ao jornal alemão Handelsblatt, o CEO da Audi, Bram Schot, disse que a marca deve dar início a um plano de enxugamento de custos para economizar cerca de US$17 bilhões até 2022. Isso deve fazer com que, a base de gastos bastante alta e o número elevado de motores em oferta está agravando problemas com o chamado WLTP na Europa. Como resultado, as vendas globais da Audi já caíram 3% em janeiro desse ano e alcançaram a marca de 144.650 unidades no mundo todo. A solução da marca vem na diminuição de motores disponíveis em seu catálogo, cortando gastos e determinando área para otimizar o caixa. "Descontinuaremos motores e variantes produzidas especificamente para alguns mercados", disse Schot. "No geral, reduziremos a complexidade em cerca de 30%. Não podemos mais ofertar modelos e equipamentos que são comprados pelos clientes com pouca frequência", explicou. Vale lembrar que essa medida de diminuir opções de motores também vai ao encontro das rivais, com a Mercedes desistindo do 6.0 V10 e a BMW deixando de produzir o motor V8 e V12. Além dessa medida, a Audi planeja cortar cerca de 10% de suas posições executivas e encerrar o turno noturno da fábrica de Ingolstadt, na Alemanha. 


Fonte: Automotive News

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em Frankfurt, BMW confirma Série 8, X7 e Z4 para 2018 na Europa e em 2019 para o Brasil

Curiosidades: por que o disco de freio parece com ferrugem mesmo sendo novo?

Nova geração da Chevrolet S10 chega em 2022, maior e ainda mais globalizada

Renault Megane Sedan vem ao Brasil até final de 2019, com motor 1.3 12v TCe Flex de 170cv

Motores 1.0 e 1.4 EVO da Fiat devem se despedir do mercado a partir do segundo semestre desse ano!

Curiosidades: Os carros mais vendidos do Brasil em 1995!

Curiosidades: Quantos BTUs possui o ar-condicionado de um carro?

Curiosidades: Os carros mais vendidos do Brasil em 2001!

Curiosidades: Carros de Fórmula 1 tem o sistema ABS?

Chevrolet confirma fim de linha do Captiva, depois de nove anos de mercado e mais de 60.000 unidades