CAOA tenta manter contrato com a Hyundai por mais dez anos. Sul-coreana quer assumir importação


Quando surgiu os rumores da separação da Hyundai e da CAOA, muita especulação cercou a relação das duas empresas. Muitos diziam que a Hyundai queria tomar conta da operação brasileira depois da CAOA confirmar a operação da Chery no Brasil. Porém, o prazo de 10 anos estabelecido em 2008, se esgotou. Em Anápolis (GO), a fábrica da CAOA produz os modelos Tucson, ix35 e HR. A renovação poderia ser estendida por mais 10 anos, mas a própria Hyundai comunicou que pretende assumir a importação dos modelos que eram trabalhados pela CAOA. Caso ambas as partes decidirem por uma renovação automática de 10 anos, a CAOA deve manter a operação por mais uma década, mas a Hyundai já deixou bem claro que pretende assumir a importação dos modelos. Além disso, ninguém sabe o futuro de Tucson, ix35 e HR no mercado brasileiro. Caso o contrato termine, a solução é importar o Tucson, tirar o ix35 de linha e produzir o HR no Uruguai, ao lado do irmão Kia Bongo. Além disso, a Hyundai deve importar Azera, SantaFe e Elantra. A Hyundai Brasil ainda tinha mostrado interesse na volta do Sonata ao mercado, enquanto o i30 pode chegar ao país em sua terceira geração. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Curiosidades: Quantos BTUs possui o ar-condicionado de um carro?

Curiosidades: por que o disco de freio parece com ferrugem mesmo sendo novo?

Motores 1.0 e 1.4 EVO da Fiat devem se despedir do mercado a partir do segundo semestre desse ano!

Curiosidades: Os carros mais vendidos do Brasil em 1995!

Curiosidades: Os modelos mais vendidos do Brasil em 1989!

BMW revela novas imagens teaser do X7, que estreia no final deste ano na Europa

Renault lança promoção que paga 100% do preço da tabela FIPE na troca por um zero quilômetro e taxa zero!

Depois da Jeep, FCA aumenta preços das cores de Fiat Argo, Grand Siena, Doblò, Mobi, Strada e Toro

Os 50 Automóveis mais vendidos do Brasil em julho de 2018: Toyota Yaris Hatch e Yaris Sedan estreiam entre os 50